1 de 1 Facebook, Twitter, YouTube e Telegram são algumas das marcas envolvidas na guerra cibernética entre Rússia e Ucrânia — Foto: Alessandro Feitosa Jr/G1

Facebook, Twitter, YouTube e Telegram são algumas das marcas envolvidas na guerra cibernética entre Rússia e Ucrânia — Foto: Alessandro Feitosa Jr/G1

Algumas das maiores plataformas de tecnologia do mundo têm se posicionado contra a invasão da Ucrânia, ordenada pelo presidente russo, Vladmir Putin, na última quinta-feira (25). O conflito deflagrado na última semana também tomou o espaço cibernético no fim de semana, com sites oficiais sendo atacados e sanções às plataformas de noticias estatais russas.

Entenda como cada uma das empresas foi afetada e se posicionou a respeito do conflito.

Facebook (Meta)

A Meta, empresa responsável pelo Facebook, é uma das gigantes de tecnologia envolvidas em sanções contra páginas controladas pelo governo da Rússia. A questão envolve a verificação de notícias em relação à invasão da Ucrânia divulgadas por quatro meios de comunicação russos, incluíndo o canal de notícias RT e a agência Sputnik.

O Facebook decidiu impedir a monetização de conteúdos dessas páginas por conta da divulgação de informações falsas. A plataforma se recusa a parar de checar fatos e rotular conteúdo de organizações de notícias estatais. A rede social defende que a checagem de fatos é realizada por agências parceiras, com atuação independente.

A Meta também decidiu proibir a mídia estatal russa de veicular anúncios na plataforma em qualquer lugar do mundo. Em resposta, a reguladora de comunicações da Rússia anunciou que estava limitando o acesso ao Facebook. Segundo os russos, a rede social está praticando censura.

Google

Outra represália aos russos veio do Google, que também bloqueou a monetização de sites, aplicativos e canais no YouTube da imprensa estatal russa. Na prática, isso significa que sites russos não poderão lucrar com os anúncios que aparecem antes e durante os vídeos no YouTube e nem usar a plataforma de publicidade do Google para arrecadar com banners e outras peças publicitárias em sites e aplicativos.

LEIA TAMBÉM:

"Em resposta à guerra na Ucrânia, interrompemos a monetização dos veículos financiados pelo Estado russo em nossas plataformas", disse um porta-voz do Google, em um comunicado. "Estamos monitorando ativamente o desenrolar dos acontecimentos e tomaremos mais medidas, se necessário", aponta a companhia.

Mapas desativados

O Google ainda desativou temporariamente dados de tráfego ao vivo do Google Maps na Ucrânia, incluíndo as informações em tempo real sobre as condições de trânsito e quão movimentados estão diferentes lugares. A empresa disse que a decisão foi tomada para a segurança dos ucranianos, após consultar autoridades regionais, informou a agência de notícias Reuters.

Twitter

O Twitter foi quase totalmente bloqueado na Rússia, de acordo com os especialistas da ONG de segurança cibernética NetBlocks. A medida acontece após vídeos e imagens da invasão dos russos viralizarem nas mídias sociais.

O perfil oficial de suporte do Twitter informa que a rede social tem conhecimento da restrição e trabalha para que a plataforma volte a funcionar para os russos.

Nesta segunda, a rede social anunciou que está adicionando avisos em postagens da mídia estatal russa, além de reduzir a visibilidade desses conteúdos. Desde o início da invasão russa, o Twitter registrou cerca de 45 mil postagens com links para os canais de comunicação russos. De acordo com a empresa, a maioria desses posts é visto em perfis de usuários comuns e não nos canais oficiais da mídia russa, que já são rotulados na plataforma.

Telegram

Fundado pelos irmãos russos Nikolai e Pavel Durov, o Telegram vem sendo uma ferramenta poderosa para divulgação de notícias falsas. O CEO do Telegram, Pavel Durov, chegou a afirmar no domingo (27) que considerava restringir parcial ou totalmente alguns canais do aplicativo de mensagens se a situação na Ucrânia piorasse.

No entanto, no mesmo dia, o executivo mudou de ideia por conta de pedidos dos usuários do aplicativo de mensagens. Durov, porém, pede que os usuários tenham cuidado com o que lêem nos canais do app.

O Telegram está, inclusive, envolvido em uma investigação sobre a propagação de discurso de ódio e fake news no Brasil. No sábado, o aplicativo suspendeu contas após decisão do STF.

SpaceX

Além das redes sociais, algumas plataformas disponibilizaram sua tecnologia para ajudar na crise gerada na Ucrânia. É o caso da SpaceX, que ativou o serviço de internet via satélite Starlink na Ucrânia. O fundador da empresa espacial, Elon Musk, revelou no sábado (26) que a companhia estava enviando equipamentos para o país, em resposta a um telefonema do governo ucraniano.

"O serviço Starlink está em funcionamento. Outros terminais estão a caminho", declarou o executivo, que é CEO da montadora de carros elétricos Tesla e do grupo de empresas espaciais SpaceX, em sua conta no Twitter.

As cidades ucranianas de Kharkiv e Mariupol registraram interrupções parciais do serviço de internet após a invasão russa ao país. A primeira interrupção de internet foi registrada em Kharkiv, segunda maior cidade da Ucrânia, que fica ao leste do país. A conectividade na região caiu de quase 100% para 75% na madrugada de quarta para quinta-feira, período da invasão da Rússia.

Airbnb

Outra empresa que anunciou medidas para ajudar os ucranianos foi a plataforma americana Airbnb, que vai oferecer acomodação gratuita de curta duração para 100 mil ucranianos que fogem da invasão russa. As acomodações serão financiadas pela empresa, por doadores do fundo Airbnb para refugiados e por anfitriões, informou a companhia nesta segunda-feira (28).

Ucrânia convoca guerra cibernética

No sábado (26), o ministro de Transformação Digital ucraniano, Mykhailo Fedorov, convocou um "exército de TI" para ajudar a Ucrânia no front digital. Em uma mensagem postada no perfil oficial de Fedorov, há uma convocação de especialistas em tecnologia da informação dispostos a ajudarem os ucranianos.

O principal pedido do governo ucraniano é para que os voluntários realizem ataques de negação de serviço (DDoS) para derrubar sites de empresas, bancos e do governo da Rússia. No começo do sábado, um ciberataque deixou o site oficial do Kremlin fora do ar.

Newsletter G1 Created with Sketch.

O que aconteceu hoje, diretamente no seu e-mail

As notícias que você não pode perder diretamente no seu e-mail. Para se inscrever, entre ou crie uma Conta Globo gratuita.

Obrigado!

Você acaba de se inscrever na newsletter Resumo do dia.