1 de 2 Google Assistente está presente no Google Home Mini (foto) e em dispositivos Android — Foto: John Tekeridis/Pexels

Google Assistente está presente no Google Home Mini (foto) e em dispositivos Android — Foto: John Tekeridis/Pexels

O Google mudou a abordagem sobre as agressões verbais cometidas pelos usuários contra o seu assistente de voz. Segundo a empresa, o objetivo é desestimular atos que podem reforçar preconceito de gênero na sociedade.

A iniciativa chegou primeiro nos Estados Unidos e começou a ser liberada em todas as versões do Google Assistente no Brasil na última terça-feira (3). Com a mudança, a plataforma passou a dar respostas mais incisivas quando identifica insultos ou uso de termos indevidos.

A alteração prevê novas reações para dois tipos de situações:

Lançado em 2016, o Google Assistente está presente em cerca de 1 bilhão de dispositivos e conta com mais de 500 milhões de usuários em todo o mundo.

O Brasil é o terceiro país em que a ferramenta tem mais usuários e, segundo o Google, registra centenas de milhares de mensagens ofensivas por mês.

Por aqui, cerca de 2% das respostas sobre a personalidade da ferramenta são para comentários abusivos. Destas mensagens, cerca de 15% das mensagens dos usuários contêm termos misóginos ou de assédio sexual.

Para liberar as mudanças no assistente no Brasil, o Google também considerou ofensas no contexto brasileiro após uma contribuição de colaboradores que fazem parte de grupos representativos.

2 de 2 Fachada do Google em Irvine, Califórnia — Foto: Reuters/Mike Blake

Fachada do Google em Irvine, Califórnia — Foto: Reuters/Mike Blake

Ofensas à voz do Google

O Google oferece mais de uma voz em seu assistente e uma delas é a que soa como feminina. Entre as ofensas recebidas por essa versão, 22% envolvem a aparência física. Na voz que soa como masculina, os abusos envolvendo a aparência representam 13% do total.

Para a voz "feminina", outros 51% das ofensas têm palavrões, 12% incluem comentários misóginos e 11% envolvem propostas de casamento.

No caso da voz "masculina", outros 55% das ofensas têm relação com palavrões, 11% com propostas de casamento e 9% com homofobia.

Reações às novas respostas

Ainda de acordo com o Google, a nova abordagem levou a uma alta de 6% nas tréplicas positivas, isto é, usuários pedindo desculpas ou perguntando "por quê?" após resposta mais forte contra a ofensa.

“As tréplicas positivas foram também um grande sinal de que as pessoas queriam entender melhor por que o Assistente estava afastando determinados tipos de conversa. As sequências dessas conversas tornaram-se portas de entrada para se aprofundar em temas como consentimento”, afirmou Arpita Kumar, estrategista de conteúdo do time de Personalidade do Google Assistente.

Newsletter G1 Created with Sketch.

O que aconteceu hoje, diretamente no seu e-mail

As notícias que você não pode perder diretamente no seu e-mail. Para se inscrever, entre ou crie uma Conta Globo gratuita.

Obrigado!

Você acaba de se inscrever na newsletter Resumo do dia.