De acordo com o Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (Ibevar), as vendas do Varejo devem aumentar após dois meses consecutivos de queda. Neste caso, as projeções mostram que o Varejo Restrito deve subir 0,96% em relação ao anterior. Na outra mão, o Varejo Ampliado registra alta de 0,34% no mesmo período. Lembrando que o Varejo Restrito integra os segmentos de supermercados; alimentos; bebidas; vestuário; calçados; tecidos; artigos farmacêuticos; materiais para escritório, papelaria, jornal e outros itens de uso pessoal e doméstico. Já o Varejo Ampliado considera também veículos, motos, peças e materiais de construção.

Segundo o Ibevar, os artigos pessoais e domésticos são os segmentos que deverão registrar a maior alta nos próximos meses: 3,44% em junho e 4,46% em julho.

“Apesar de positivo, os resultados desse mês foram pontuais. No acumulado, as estimativas ainda apontam um desempenho fraco das vendas do Varejo”, diz Claudio Felisoni de Angelo, presidente do IBEVAR.

Leia também: Volume de anúncios que precisaram ser moderados pelo Mercado Livre cai 27% no segundo semestre de 2021

Varejo Restrito

As projeções para Varejo Restrito mostram que o cenário deve ser melhor nos dois próximos meses: aumento de 0,35% em junho em relação a maio; e 0,76% em julho em comparação ao mês anterior. Em relação a maio do ano passado, as estimativas apontaram uma queda de 3,94% e uma nova baixa de 1,64% no acumulado dos últimos 12 meses.

Varejo Integrado

O Varejo Ampliado, por sua vez, segue a mesma tendência de alta: 0,34% em maio; 0,45% em junho em relação ao mês anterior e 0,77% em julho em comparação a junho. No comparativo anual, o pesquisador mostra que em maio do ano passado houve uma queda de 5,71% e uma nova baixa de 0,79% no acumulado dos últimos 12 meses. Em junho, porém, a projeção da variação mensal registra baixa de 2,90%, e nova queda de 3,75% em julho em relação ao mesmo período no ano passado.

Leia também: 70% dos brasileiros não voltam a comprar de uma marca após má experiência

Segundo o Ibevar, a projeção de vendas para supermercados, bebidas e produtos alimentícios deve ter a maior alta de maio, com 0,89%. Já nos próximos meses, os artigos pessoais e domésticos são os segmentos que deverão registrar a maior alta: 3,44% em junho e 4,46% em julho.

As estimativas são calculadas com base nos dados de série temporal e modelos econométricos coletados da Pesquisa Mensal de Comércio/IBGE.

Leia também: Amazon ajudará vendedores brasileiros a venderem para o exterior