O Pix se tornou a modalidade de transferências de valores queridinha do brasileiro, e não é por acaso. Afinal, a tecnologia desenvolvida pelo Banco Central traz facilidade, agilidade e segurança, além de reduzir a dependência do brasileiro por dinheiro em cédulas.

Em abril de 2022, o Pix bateu novo recorde, chegando a 126,5 milhões de usuários e R$ 784,6 bilhões em movimentações de valores. Agora, a tecnologia quer se tornar a queridinha, também, na modalidade de pagamentos por bens e serviços, através do Pix Parcelado.

Inovação da tecnologia desenvolvida pelo Banco Central, o Pix Parcelado surge como uma alternativa ao cartão de crédito.

Ainda é cedo para dizer, mas alguns especialistas sinalizam que, em breve, o Pix pode substituir o cartão de crédito. Não que os cartões deixarão de existir, mas poderão ser menos preferidos, assim como aconteceu com o TED e o DOC.

Isso porque o Banco Central já autoriza bancos e fintechs a dividir para o seu cliente os pagamentos e as transferências eletrônicas através do Pix Parcelado.

Como funciona o Pix Parcelado?

O usuário transfere o valor total para outra pessoa ou empresa, pagando uma parte do que é devido. O restante é parcelado pelo agente financeiro, que cobrará juros para essa finalidade.

A diferença em relação ao cartão de crédito é que, no caso do Pix Parcelado, as parcelas restantes serão cobradas diretamente da conta corrente do usuário, possuindo ele saldo ou não.

Em caso de negativa, ele poderá ter que arcar com mais multas e juros. Para quem recebe o Pix, nada muda, já que a instituição financeira garante a transferência em sua totalidade e de forma imediata, como é hoje.

Existem também algumas fintechs que já estão oferecendo a modalidade do Buy Now, Pay Later para o Pix. Isso funciona como um parcelamento sem juros.

E quando há juros?

Por enquanto, não está definido como essa cobrança de juros funcionará na prática. Mas algumas empresas brasileiras já começam a experimentar a novidade. Entre elas, o Banco Santander, o PicPay e o Mercado Pago.

Pix Parcelado no e-commerce

Estar atento a essa nova modalidade de transação financeira é a regra do momento para os proprietários de comércio virtual.

Isso porque o Pix Parcelado chega com grande expectativa de se tornar uma modalidade de volume entre os brasileiros.

Por essa razão, é mais do que importante adequar a tecnologia existente em seu sistema de cobranças para quando a demanda chegar.

Mas, antes, já é possível orientar o comprador de que o Pix Parcelado está disponível em algumas instituições financeiras, como citamos acima. E esse pagamento pode ser feito efetuando a compra via Pix na loja virtual ou, ainda, através da geração de boleto bancário. Nesse caso, caberá ao usuário fazer o parcelamento junto ao banco ou fintech.

As vantagens para o e-commerce

As vantagens para os clientes

O Pix Parcelado é uma opção para você?

Você já considera incluir o Pix no e-commerce? Acha que terá demanda dos clientes? E para quem já vende, qual está sendo o retorno, tanto no uso como na satisfação do cliente? Comente este texto e vamos conversar sobre!

Leia também: Pix parcelado sem juros: modalidade oferecida pela Pagaleve pode aumentar vendas no Dia dos Namorados

 

Gostou desse artigo? Não esqueça de avaliá-lo! Quer fazer parte do time de articulistas do portal, tem alguma sugestão ou crítica? Envie um e-mail para redacao@ecommercebrasil.com.br