Globalmente, 2021 foi um sucesso para o mercado de tecnologia e bens de consumo, com um crescimento de vendas de 12%. Porém, os especialistas da GfK estão prevendo um crescimento de apenas 2% para 2022. Na América Latina, a tendência é ter uma queda de -1%, frente ao resultado positivo no ano anterior.

Leia também: Cesta básica fica 1,7% mais cara em abril no e-commerce de São Paulo, segundo estudo

A inflação e os preços crescentes estão causando muitas incertezas. Apenas 34% dos consumidores em todo o mundo acreditam que sua situação econômica terá alguma melhora em doze meses, em comparação com 41% em 2019.

Em um mercado de crescimento mais lento, fabricantes e varejistas se deparam com desafios de ganhar participação de mercado. Para Felipe Mendes, diretor-geral da GfK para América Latina, este ano o desafio está em atrair o consumidor. “A pandemia criou algumas necessidades emergenciais no consumidor que foram sendo supridas nos dois últimos anos. Para 2022, parte das marcas criar o desejo e o interesse do público, tendo o agravante da crise econômica que está instalada no mundo.”

Todos os olhares para o lar: por que de repente todo mundo quer um aspirador de pó robótico?

No entanto, o relatório The State of Consumer Technology & Durables também mostra que a categoria chamada “@Home” continua no radar dos consumidores — e, consequentemente, dos especialistas. Esta categoria abrange todos os itens que trazem praticidade e são necessários dentro de casa. Como, por exemplo, equipamentos de cozinha e limpeza, televisores, fones de ouvido e laptops. Além disso, segue sendo impulsionada por esta nova cultura de trabalho pós-pandemia, seja ele 100% home office ou híbrido.

Leia também: Amazon anuncia expansão de programas de logística para vendedores parceiros

“Sobre esta nova cultura de trabalho, precisamos destacar que em uma pesquisa global de mídia social da GfK, 65% dos entrevistados querem trabalhar em casa até quatro vezes por semana. Para isso, eles precisam de estruturar o ambiente com os equipamentos adequados”, destaca Mendes

Um bom exemplo é o grande interesse em aspiradores de pó robô. Enquanto os aspiradores de pó normais registram um crescimento de vendas de 14%, em 2021 as vendas de aspiradores de pó robô aumentaram 207% em todo o mundo.

Produtos para a casa

A busca por itens que ajudam a equipar a casa também é tendência no Brasil. O grande destaque fica para as vendas de fritadeiras sem óleo, que aumentaram 49,5% apenas no primeiro trimestre de 2022 (quando fechou 2021 com um acumulado de 32,8% em relação ao ano anterior). O mesmo segue para os vaporizadores de roupa, aparelhos que passam e higienizam roupas sem precisar de uma mesa de apoio. Neste caso, terminaram o primeiro tri deste ano com aumento de 42,9%, quando concluiu 2021 com um crescimento de 41,6%.

Os modeladores de cabelo, como pranchas de alisamento e secadores 2 em 1 (seca e escova), são itens que caíram no gosto do consumidor. Afinal, apresentam crescimentos constantes desde o começo da pandemia. A retomada, entretanto, tem impulsionado ainda mais as vendas dessa categoria. Após fechar o ano de 2021 com um saldo positivo de 28%, já acumula 22% nos primeiros três meses de 2022.

“É interessante ver o movimento do consumidor nos últimos dois anos. Assim que começaram os lockdowns, as buscas estavam focadas em trabalhar, estudar e ter momentos de lazer em casa. Isso fez com que itens como tablets, TVs, notebooks e periféricos de informática, e móveis de escritório fossem destaques de vendas. Com o passar das semanas, o olhar se volta para outros detalhes, como trazer praticidade do dia a dia, e a retomada das atividades amplia esse espectro, atraindo a atenção para itens menores, mas que ajudam a ‘ganhar tempo’ nas atividades”, explica Mendes.

Previsão de evolução de preços para 2022

Os preços estão em uma crescente. Na indústria de tecnologia e bens de consumo, o aumento da demanda colocou uma pressão adicional nas cadeias de suprimentos. Atualmente, o conflito na Ucrânia e as sanções econômicas contra a Rússia estão apresentando à indústria decisões difíceis.

Leia também: Mercado Livre vai investir R$ 24 milhões na conservação e regeneração de biomas no Brasil

As principais cadeias de suprimentos estão em risco de interrupção. Além disso, a escassez de combustível está restringindo ainda mais a aquisição dos principais materiais e bens de produção. Esse aumento de custos está reduzindo as taxas de lucro dos fabricantes — que estão sendo forçados a repassar pelo menos alguns desses aumentos de preços para seus usuários finais.

Para obter mais informações sobre os desenvolvimentos do mercado de tecnologia e bens duráveis, baixe o relatório gratuito da GfK, The State of Consumer Technology & Durables.

Sobre o estudo

O State of Consumer Technology & Durables Report fornece uma visão global da indústria de tecnologia e bens de consumo. Destaca as tendências atuais mais importantes no comportamento do consumidor e nas condições de mercado, além de fornecer uma perspectiva para os próximos meses do ano. O relatório é baseado em dados da gfknewron e no conhecimento de especialistas e analistas da GfK.

Leia também: Uniqlo decide aumentar preço dos produtos nos próximos meses