Já pensou sobre como o hábito de consumo vem mudando ao longo do tempo, principalmente depois do surgimento das redes sociais? E, com o avanço do uso de dispositivos digitais, as lojas estão quase que literalmente na mão de muitos brasileiros.

Para se ter uma ideia, estima-se que haja 440 milhões deles aqui no país, entre celulares, tablets, notebooks e computadores. Na teoria, isso significa uma média de dois aparelhos por pessoa.

E um estudo divulgado neste ano aponta que nós passamos 5,4 horas, em média, utilizando smartphones – grande parte desse tempo em canais como TikTok, Instagram e outros similares. Ou seja, esses espaços na Internet são fundamentais para pequenos empreendedores que querem aumentar as chances de manter um relacionamento próximo com o público.

Já pensou sobre como o hábito de consumo vem mudando ao longo do tempo, principalmente depois do surgimento das redes sociais?

Da ida à loja física até influenciadores digitais

Ida até as lojas físicas é algo do passado? Embora esse seja um hábito ainda mantido por parte dos consumidores, hoje já é possível fazer compras de diversos itens no conforto do lar com segurança e praticidade. E aí é só aguardar que cheguem na porta de casa.

Agora, como acontece esse contato do público com a loja online? O papel das redes sociais se destaca nesse sentido. Por exemplo, com o avanço delas, influenciadoras e influenciadores digitais começaram tempos atrás a nos estimular a consumir produtos.

Nós seguimos o perfil desses profissionais nas redes porque nos identificamos, seja pelo modo de se vestir, de viver ou porque falam de assuntos que gostamos. Ou por tudo isso junto.

Muitas marcas grandes percebem oportunidade nisso. Afinal, se as pessoas já acompanham bastante um influencer, este pode “influenciar” o público. E isso acontece, por exemplo, por meio de resenhas. Uma atitude que gera interesse no consumidor, que passa a querer também aquele produto. É a era do famoso marketing de influência na Internet.

E não é necessário, para os pequenos empreendedores, disputarem profissionais com grandes negócios. O Brasil, segundo levantamento bastante recente que ganhou destaque inclusive aqui no E-commerce Brasil, conta com mais de 500 mil desses profissionais. Então, existem opções para nichos variados e empresas de diferentes portes.

A vez das lojas como influenciadoras

Com o marketing digital e com o alto consumo das redes sociais, as lojas começaram a conseguir ir além da contratação desses profissionais. Podem, elas mesmas, usar esses meios para aproximação com o público e se tornar influenciadores de comportamento.

Agora, tanto os grandes como os pequenos negócios devem ter atenção ao buscar esse objetivo. Para criar conexão de verdade e se aproximar dos consumidores, não basta querer apenas vender produtos.

Assim, é fundamental ir construindo esse relacionamento aos poucos. O chamado funil de vendas é um caminho possível de traçar por meio do marketing de conteúdo.

A ideia nessa estratégia, basicamente, é produzir informações para as pessoas em diferentes estágios de decisão. E isso inclui desde aqueles consumidores que ainda nem sabem que precisam de uma solução para o dia a dia deles até outros que já começaram a comparar detalhes entre produtos mais adequados para o que precisam.

Portanto, considerando todas essas etapas e estando presente nelas com dados confiáveis, acompanhando passo a passo o cliente, a loja tem tudo para se tornar uma parceira que vai ser constantemente consultada e preferida para as compras. E vale destacar que há pesquisas que mostram que clientes recorrentes são responsáveis por aproximadamente seis compras por mês. Ou seja, é um público fiel relevante e que deve ser cultivado.

Como encontrar o consumidor nas redes sociais?

Além de providenciar informações interessantes e objetivas para consumidores, é importante para a sua loja saber detalhes sobre eles e quais canais usam no dia a dia. O bom é que é possível contar com estudos variados, muitos deles disponíveis gratuitamente.

O mais recente levantamento Webshoppers, lançado por Nielsen IQ EBit, empresa focada em medir aspectos de varejo e consumo, sinalizou que os dispositivos móveis estão cada vez mais presentes no dia a dia das pessoas. Então, é essencial considerar que suas comunicações nas redes sociais devem aparecer bem, mesmo em telas menores.

Também há levantamentos com dados disponíveis sobre preferência do público quanto a vídeos, fotos e textos, redes sociais favoritas, dias e horários de maior acesso, entre outras informações relevantes.

Coletar, organizar e planejar ações com base nesse tipo de conhecimento, junto a uma atuação constante na Internet, auxilia empreendedores que querem se tornar referência nos assuntos que desejam abordar com consumidores. É uma ação que fortalece a confiança na empresa e estimula o consumo. E, como demonstrei aqui, essa proximidade é algo benéfico tanto para lojas como para clientes.

Leia também: Seu negócio está a um algoritmo de mudar no mercado

Gostou desse artigo? Não esqueça de avaliá-lo! Quer fazer parte do time de articulistas do portal, tem alguma sugestão ou crítica? Envie um e-mail para redacao@ecommercebrasil.com.br