Famílias paraenses ganham dinheiro com os frutos da Amazônia. Elas se organizam em associações para venderem matéria-prima para a produção de alimentos, remédios e roupas.

O murumuru vem de uma palmeira que chega a 15 metros. O fruto despenca por força da chuva, do vento e de animais que adiantam o trabalho dos ribeirinhos. Apesar da altura, o objeto da busca dos trabalhadores rurais está ao alcance dos pés: a semente.

O extrativista Andrelino Barbosa coleta até 50 kg de sementes em um dia de incursão. Mas nem sempre é preciso se embrenhar na mata para fazer esse serviço. Alguns desses frutos viajam até a praia. O movimento das marés leva as sementes de andiroba para a areia onde os ribeirinhos realizam a coleta.

A safra de andiroba vai de dezembro a julho, sendo uma alternativa ao período defeso, quando a pesca comercial é proibida.

O que é bioeconomia da sociobiodiversidade

A exploração da natureza de forma sustentável, gerando dinheiro para a população local e para o país, como os ribeirinhos e outros povos extrativistas fazem, tem nome: bioeconomia da sociobiodiversidade.

Ela envolve o uso de produtos da natureza, mas sempre privilegiando os conhecimentos tradicionais das pessoas que vivem na região. Essa coleta feita pelos povos tradicionais é uma oportunidade para a conservação das florestas e para que eles tenham condições de vida melhores, explica Joice Ferreira, bióloga da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

A bioeconomia paraense gera mais de 200 mil empregos, a maior parte deles no campo, apontou um estudo feito pela ONG The Nature Conservancy, em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (Iadb) e uma empresa de cosméticos.

Fazem parte desse grupo cerca de 100 famílias ribeirinhas, que vendem sua coleta para a Associação dos Produtores Extrativistas e Agrários de Salvaterra (Apeas)

Toda semana, chegam 10 toneladas de sementes, o quilo varia de R$ 0,70 a R$ 1,10. A Apeas vende a matéria-prima para empresas que transformam as sementes em óleos, que depois são vendidos para fabricantes de cosméticos, remédios, alimentos e até roupas.

Na indústria, metade da produção abastece o mercado nacional, a outra parte vai para a Ásia, Estados Unidos, Canadá e diversos países da Europa.

Leia também:

Se não coletar…

O fruto tucumã é um dos mais procurados. Sua coleta auxilia o meio ambiente, pois existem históricos de rios no estado do Amazonas que foram totalmente fechados por conta do excesso de tucumã jogado dentro dele.

No momento em que o fruto fermenta, ele consome o oxigênio da água e mata toda a vida que existe naquele microssistema, explica Luiz Morais, sócio da Amazon Oil.

O tucumã tem diversos usos: a polpa é ingrediente na culinária, a parte preta é usada em biomassa para obter combustível e há a amêndoa, que é o objetivo da coleta dos extrativistas.

Saiba mais na reportagem completa no vídeo acima.

Vídeos: mais assistidos do Globo Rural

200 vídeos

Newsletter G1 Created with Sketch.

O que aconteceu hoje, diretamente no seu e-mail

As notícias que você não pode perder diretamente no seu e-mail. Para se inscrever, entre ou crie uma Conta Globo gratuita.

Obrigado!

Você acaba de se inscrever na newsletter Resumo do dia.