Quando comparados aos mesmos meses de 2021, os mais recentes dados do IAV-IDV (Índice Antecedente de Vendas do Instituto para Desenvolvimento do Varejo) projetam aumento nominal das vendas, sem descontar a inflação, de 7,3% em junho, 7,8% em julho e 9,3% em agosto. O levantamento é elaborado com base nas projeções feitas pelas empresas associadas do Instituto e apurado pela EY.

Segundo o IDV, parte dos resultados também é explicada pela pandemia, além da retomada da inflação e do aumento das taxas de juros.

Ao descontar o IPCA (Índice de Preço ao Consumidor Amplo) projetado, a previsão é de queda nas vendas de 4,3% em junho e 3,4% em julho e estabilidade em agosto — sempre em relação aos mesmos meses do ano anterior. Em maio deste ano, houve queda de 2,6% em relação a maio/21 e crescimento de 18% em relação a maio/19, no período pré-pandemia. Maio deste ano, aliás, foi o primeiro mês de variação negativa após dois meses seguidos de variação real positiva.

Leia também: Startup americana Sezzle desembarca no Brasil para acelerar as vendas de PMEs

Motivos das variações e setores analisados pelo IDV

O IAV projetado ajustado pela inflação indica variações negativas, e parte dos resultados e das expectativas do varejo é explicada pela flutuação das bases de comparação. Ou seja:

Quatro dos seis setores do varejo analisados apresentaram variação nominal positiva em comparação com o mesmo mês do ano anterior. O destaque, neste caso, foi para:

Já os setores de móveis e eletrodomésticos e de material de construção apresentaram variação nominal negativa. Segundo o IDV, parte dos resultados também é explicada pela pandemia, além da retomada da inflação e do aumento das taxas de juros. Por consequência, isso resulta na deterioração dos setores impulsionados por crédito e priorização de itens de primeira necessidade pela população.

Leia também: Amazon encerra serviço de entrega flexível na Alemanha