A venda direta é uma modalidade que possibilita que as empresas fechem negócios diretamente com o consumidor final, sem a presença de intermediários varejistas. Também conhecida como venda D2C ou Direct to Consumer, o modelo se mostra muito rentável, já que, além de reduzir gastos, permite que as empresas apliquem o preço de varejo ao consumidor.

Uma venda direta pode ser feita de várias maneiras, seja por meio de eventos sociais para demonstração e venda de produtos – chamados de party-plans -, no e-commerce da própria marca, em marketplaces ou pelas redes sociais. Algumas gigantes do mercado, como Avon, Mary Kay e Natura, também apostam no trabalho dos revendedores para promover as vendas D2C em troca de uma comissão sobre o negócio fechado.

A venda direta pode ser mais lucrativa e permite que você tenha acesso direto ao consumidor final do seu produto.

O mercado de venda direta no país

No Brasil, os números comprovam o crescimento dessa modalidade. De acordo com a Associação Brasileira de Empresas de Venda Direta (ABEVD), o setor cresceu 10,5% em 2020. O número de revendedores também apresentou um aumento de 5,5% no mesmo ano e já chega à casa dos R$4 milhões. O segmento de beleza e cosméticos se destaca por reunir 52% desse total.

A ABEVD revelou ainda que as plataformas digitais são os principais meios para promover esse modelo de negócio. As vendas em marketplaces, por exemplo, registraram um crescimento de 52% em 2020. Esse canal reúne diversos vendedores em uma única plataforma e pode ser comparado a um shopping virtual. A grande vantagem dos marketplaces é que os vendedores utilizam uma loja virtual que já existe – como o Mercado Livre – e, portanto, não precisam se preocupar em estruturar sua própria loja.

O e-commerce também apresentou um crescimento histórico, especialmente durante a pandemia do coronavírus, e se apresenta como uma ótima oportunidade para as vendas D2C. As soluções digitais promovem a democratização da venda direta e abrem espaços para todos, seja um microempreendedor ou uma marca consolidada.

Quais são os benefícios de investir nesse modelo de negócio?

Já vimos que a venda direta pode ser mais lucrativa, mas esse não é o único ponto positivo dessa modalidade. Existe, ainda, outra questão muito vantajosa: é possível estar mais próximo e ter acesso direto ao consumidor final do seu produto. Essa é uma excelente oportunidade para entender melhor as demandas dos clientes, além de colher feedbacks importantes para evoluir e entregar a melhor experiência de compra para eles.

Essa proximidade com o cliente também permite a realização de um atendimento personalizado, e é justamente isso que os consumidores modernos buscam e valorizam. Quando uma empresa é capaz de se posicionar dessa forma, criando um relacionamento duradouro e fidelizando o cliente, existem mais chances de ele realizar compras recorrentes e até mesmo indicar os produtos da marca para amigos e familiares.

Entretanto, também existe um ponto de alerta na hora de implementar os processos de venda direta, principalmente se houver a presença de revendedores: esse modelo de venda pode ser confundido com esquemas de pirâmide e, se isso acontecer, ele perde a credibilidade. Outro desafio é manter uma rede de clientes ativos e dispostos a comprar. Para isso, é preciso alimentar e expandir seu network de maneira contínua.

Agora que você já entendeu o funcionamento do processo de venda direta e todos os benefícios que essa modalidade pode trazer para o seu negócio, reflita: a venda D2C é a melhor opção para a sua empresa? Quais passos você precisa dar para implementar esse modelo de negócio?

Leia também: As oportunidades e os desafios do e-commerce D2C

Gostou desse artigo? Não esqueça de avaliá-lo! Quer fazer parte do time de articulistas do portal, tem alguma sugestão ou crítica? Envie um e-mail para redacao@ecommercebrasil.com.br