A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autorizou nesta terça-feira (12) que a empresa Âmbar Energia, do grupo J&F, substitua quatro usinas novas vencedoras do leilão emergencial de energia pela termelétrica Cuiabá (Mário Covas), em operação há mais de 20 anos.

O leilão aconteceu em outubro do ano passado quando o país enfrentou uma crise energética devido à falta de chuvas. As quatro termelétricas estão entre 17 usinas contratadas dentro de uma licitação emergencial de R$ 39 bilhões feita pelo governo federal.

Em maio, a Aneel já havia concedido liminar (decisão urgente e provisória), hoje confirmada no mérito (decisão final).

A substituição está condicionada à conclusão e entrada em operação até 1º de agosto das quatro usinas termelétricas em construção. Pelo contrato, as usinas deveriam ter começado a gerar energia em 1º de maio.

A Âmbar Energia se comprometeu a cumprir o prazo. Caso não cumpra, a substituição não terá eficácia, e multas poderão ser aplicadas e o contrato rescindido.

O pedido de substituição foi feito pela própria empresa. A Aneel autorizou, ainda, que as quatro novas usinas contratadas sejam construídas ao lado da termelétrica Mário Covas, em Mato Grosso. Inicialmente, elas seriam erguidas no Mato Grosso do Sul e no Rio de Janeiro.

Votos

A área técnica e a procuradoria da Aneel emitiram parecer contrário à troca. O entendimento foi que o leilão contratou energia gerada por novas usinas termelétricas, não permitindo a substituição por usinas antigas.

A diretora-geral interina da agência, Camila Figueiredo Bomfim Lopes, acompanhou a área técnica, mas foi voto vencido. Ela afirmou que a decisão traria dano à credibilidade do leilão. Disse, ainda, que a troca não traz vantagem para o consumidor.

Prevaleceu, porém, o voto do relator, diretor Efrain Cruz, autorizando a substituição condicionada à conclusão das outras usinas dentro do prazo do leilão.

Segundo Cruz, a decisão atende ao interesse público ao assegurar o fornecimento de energia do país, além de trazer vantagem econômica para o consumidor, porque a Âmbar ofereceu um desconto em relação ao custo dos projetos originais.

O voto do relator foi acompanhado pelos outros três diretores da agência, sagrando-se vencedor.

Decisão do governo de facilitar acionamento das usinas termelétricas vai impactar na conta de luz

Decisão do governo de facilitar acionamento das usinas termelétricas vai impactar na conta de luz

Críticas de entidades

A troca é criticada por entidade de consumidores, que afirmam que o edital do leilão era claro: as usinas termelétricas contratadas deveriam ser novas, ou seja, construídas.

Além disso, entidades afirmam que a decisão traz uma vantagem indevida à Âmbar Energia, pois multas deixarão de ser aplicadas pelo atraso.

Em nota, a Abrace, associação dos grandes consumidores de energia elétrica, diz que, "no final das contas, o regulador decidiu em prejuízo ao elo mais fraco da cadeia do setor elétrico, os consumidores, que já sofrem com elevadas tarifas e reajustes acima da própria inflação".

Newsletter G1 Created with Sketch.

O que aconteceu hoje, diretamente no seu e-mail

As notícias que você não pode perder diretamente no seu e-mail. Para se inscrever, entre ou crie uma Conta Globo gratuita.

Obrigado!

Você acaba de se inscrever na newsletter Resumo do dia.