1 de 1 Elon Musk — Foto: REUTERS/Mike Blake

Elon Musk — Foto: REUTERS/Mike Blake

A batalha entre Elon Musk e o Twitter continua. Um documento do Tribunal de Chancelaria de Delaware (EUA), tornado público nesta sexta-feira (5), detalha o motivo que fez o bilionário desistir da compra da rede social por US$ 44 bilhões.

Em resposta a uma ação do Twitter, que pede que o dono da Tesla e da SpaceX cumpra o acordo de aquisição, Musk diz que a plataforma não foi transparente com o número de monetizáveis, que são aqueles que veem anúncios dentro da mídia social.

Ele alega que, embora a empresa tenha informado ter 238 milhões de usuários ativos diários monetizáveis (mDAU, em inglês), eles, na verdade, têm 65 milhões a menos.

“Na verdade, a maioria dos anúncios é veiculada para menos de 16 milhões de usuários – uma mera fração dos 238 milhões de mDAU que o Twitter enganosamente anuncia ao mercado”, dizem os advogados que representam o homem mais rico do mundo.

Ainda ontem, o presidente do conselho do Twitter, Bret Taylor, disse que as alegações de Musk são factualmente imprecisas, legalmente insuficientes e comercialmente irrelevantes”.

Os atritos entre Musk e Twitter se iniciaram no início de julho, quando o bilionário anunciou a desistência da compra da rede social.

Naquele momento, o principal motivo da saída do acordo era o número de contas falsas e de spam; o próprio Musk queria fazer a checagem desses números.

Por sua vez, o Twitter, que tem mais de 220 milhões de usuários ativos, informou que os perfis falsos representam menos de 5%.

Elon Musk e o Twitter: Uma relação antiga e polêmica

Elon Musk e o Twitter: Uma relação antiga e polêmica

Newsletter G1 Created with Sketch.

O que aconteceu hoje, diretamente no seu e-mail

As notícias que você não pode perder diretamente no seu e-mail. Para se inscrever, entre ou crie uma Conta Globo gratuita.

Obrigado!

Você acaba de se inscrever na newsletter Resumo do dia.